CTG Os Praianos

Patronagem

Patronagem - Atual

Patronagem

Patrão
Hector Gregório Nunez Fernandez
1º Capataz
Osmar Herculano Pereira (Jacare)
1º Sota Capataz
Milton Manoel Peres
2º Sota Capataz
Antônio Sergio de Melo
1º Agregado Social
Aladir José da Silva (Leleu)
2º Agregado Social
Fernando Luiz Fernandes
1º Agregado de Patrimônio
Lourival José Ouriques
2º Agregado de Patrimônio
Adelmo Roque Bervian
Diretor da Campeira
Marcelo Arlindo Martins
Diretor Xiru das Falas
Valdeci Motta
Patrão de Honra
Almir Mirinho da Silva
Diretor Jurídico
Ricardo Bianchini Mello
Diretor de Relações Públicas
José Airton Muniz
Diretora da Invernada Artística, Cultural e Prendas
Cidara Rodrigues Martins de Ávila
Diretor de Cavalgadas
Jânio José de Souza
Diretor da Cavalariças
Afonso Valecio da Silva

Conselho Fiscal

Presidente
Sady Beck Junior
Secretário
Anderson Artur Albanaes
Membros
José Henrique Assmann
Mario Rogério Bach
Romério Lehmkuhl

Conselho de Vaqueanos

Presidente
Marcos Vidal Lohn
Vice Presidente
Luiz Ivani Canadas
1° Secretario
Marco Aurélio Soar
2° Secretario
Afonso Legório da Silva
Adeunir Evaristo dos Santos
José Alexandre Pereira
Adenir José Rios
Afonso Borghezan
Adilson Oscar de Souza
Carlos Rocker
Itamir Timóteo da Rosa
Mário Rogério Bach
Anderson Artur Albanaes
Luiz Adauto Costa
Paulo Renato Chabarria Borges
José Henrique Assmann
Romério Lehmkuh
Ronaldo José da Silva
Israel Cunha
Domingas de Fátima Costa
Sady Beck Junior

Patronagem - História

1972 - 1974

Patrão Valmor Schmidt

Entusiasmo não faltava ao primeiro patrão do CTG Os Praianos: com o apoio de todos, assumia decidido a concluir as obras iniciadas e a fazer o tão desejado rodeio. “Era tudo muito difícil”, ele depõe hoje, “todo mundo precisou pegar junto, colaborando com trabalho e financeiramente”. Destaca com carinho o empenho de todos que contribuíram para que em quase dois anos de trabalho fosse possível deixar pronto o parque para o Primeiro Rodeio Oficial do CTG. Era novembro de 1972.


1974 - 1976

Patrão Valmor Rosar (Tio Môca)

Apesar de sua grande ligação com animais, pois seu pai possuía gado e ele depois veio a criar cavalos da raça crioula, Tio Môca não montava e não laçava. Um problema no ouvido o impedia dessa prática, mas nem por isso deixou de estar plenamente integrado com a Invernada Campeira. Na gestão de Rosar foram realizados dois rodeios, ambos muito animados tando nas competições campeiras como na artística.


1976 - 1978

Patrão Joaquim Goulart

O empresário Joaquim Goulart, natural de Santo Amaro da Imperatriz, colaborador novo do grupo pioneiro dos doze fundadores, se colocou cedo a disposição para trabalhar com o grupo, a tal ponto que aceitou a responsabilidade de ser Patrão. “Ele estava sempre no CTG, tanto nos rodeios como nos fandangos. Tomou gosto pela Tradição. Ele foi lá uma vez e não largou mais”, conta o filho Pedro Goulart.


1978 - 1980

Patrão Artur Albanaz

A patronagem liderada por Artur Albanaz salienta-se desde logo por uma iniciativa fundamental: nela é que ocorreu a elaboração e registro dos estatutos da entidade. Outro destaque deve-se a compra de uma outra área para a localização da sede, pois o proprietário onde ela se encontrava havia recebido uma proposta de compra do BNH.


1980-1982

Patrão Valdir Manoel dos Santos (Vadica)

De temperamento alegre e cativante, e ao mesmo tempo um trabalhador incansável, Vadica deixou sua marca na atual sede do CTG, construindo o Galpão2. Fez uma boa administração. Todos lamentam o seu prematuro falecimento.


1983

Patrão João José Acácio de Souza

O tradicionalista e empresário João José Acácio de Souza fez parte do quador de 50 adquirentes de títulos da nova área do CTG. Começou a freqüentar Os Praianos em 1978. No seu curto período de Patrão, guarda com alegria a lembrança das vitórias, mas guarda também a lembrança das dificuldades. Entre essas, os alagamentos que ocorriam no atual terreno do CTG. “Se a gente não se cuidasse, o barro entrava pelo cano da bota, tão grande era o lodo”, diz ele. Foi preciso colocar centenas de carretas de aterro no atual Parque dos Praianos.


1983 - 1984

Patrão Maurílio Albanaz

O então capataz Maurílio Albanaz foi escolhido para cumprir os 19 meses restantes do mandato de João José Acácio de Souza. Foi durante a patronagem dele que o CTG conseguiu montar a sua primeira invernada de danças. Sua filha Morgana Albanaz foi a primeira Prenda eleita do CTG e toda a família teve uma participação muito ativa em sua gestão, bem como em outras.


1984 - 1986

Patrão Andrino Manoel dos Santos

Seguindo a marca empreendedora de seus antecessores, o Patrão Andrino deixou obras significativas no parque dos Praianos. Uma das mais aplaudidas foi a colocação da cabina dos narradores dos rodeios sobre o brete. A outra novidade foi a colocação, na entrada da cancha, de palanque para segurar os cavalos a serem montados pelos ginetes.


1986 - 1987

Patrão Artur Albanaz

O sócio Artur Albanez voltou a ser eleito patrão do CTG, mas enfrentou um período conturbado e problemático, tanto que acabou por renunciar.


1987 - 1989

Patrão Jacob Momm Filho

Com a renúncia de Albanaz, um grupo de sócios e ex-patrões procuraram Dr. Jacob e pediram-lhe que assumisse o cargo. Ele se dispôs a isso após ter a garantia de que todos iriam ajudá-lo durante a patronagem. Foi um período muito produtivo, houve uma série de novidades nas promoções e na administração tradicionalista do CTG. Foi introduzido o computador. A volta da invernada artística, a construção de um palco na entrada do parque, banheiros, caixa d’água, a arena para touradas, a iluminação da cancha de laço e muitas outras.


1989 - 1991

Patrão Joci Alcides dos Santos

Imprimiu à sua patronagem o estilo de gestão/empresa. Muitas foram as realizações. Entre elas, a compra de mais 16 mil metros de terreno, o aterramento dessa área com 6.000 cargas de barro, a ampliação da rede de água e luz e a construção do segundo galpão das baias da Invernada Campeira. Mas seu grande feito para a Tradição foi, sem dúvida, a promoção do 1º Rodeio Internacional, em 1991.


1991 - 1993

Patrão José Luiz Mendes

Um obstinado como poucos pelos temas da Tradição. Seu mote de conduta, lembra ele em depoimento, era o seguinte: “O CTG é para fomentar a Tradição e não para ganhar dinheiro, para obter lucros financeiros”. José Luiz garante que o seu período de patronagem foi aquele em que houve mais citação dos Praianos no rádio, na TV e nos jornais. Ele acreditava que para que o culto à Tradição prosperasse e se firmasse, era importante o uso da mídia.


1993 - 1995

Patrão Oscar Giaretta

Foi ele que, na gestão de Zé Luiz, graças às boas relações que mantinha em Brasília e São Paulo, conseguiu a adesão de uma marca nacional, a VASP, para patrocinar o 2º Rodeio Internacional. O gesto da VASP teve certamente grande influência no apoio que outras empresas vieram a dar também ao já consolidado rodeio do CTG Os Praianos.


1995 - 1997

Patrão Décio Giacomelli

Em 1995 quando iniciou seu primeiro mandato, Décio afirma, com modéstia, que pouco entende de Tradição, mas não esconde o orgulho de ter trabalhado muito na estruturação do CTG e na sua renovação, tanto na área administrativa quanto nas benfeitorias. Os dois rodeios realizados na 1ª gestão tiveram ótimos resultados, possibilitando a estabilização financeira do CTG.


1997 - 1999

Patrão Armando Taranto Jr.

Taranto estabeleceu desde logo uma meta em sua linha de ação: a valorização da família do associado, o envolvimento de todos com o CTG. Buscou também o reconhecimento dos ex-patrões e apoiou a cultura – o primeiro lançamento de livro nas dependências do CTG deu-se nessa época (a coletânea de poemas Homenagem Campeira, de Ilário Arent). Na Invernada Artística sua esposa Regina Lúcia teve uma atuação brilhante, do melhor nível, prova disto foi a conquista de dois carros zero km por ter sido campeão em todo o evento no Rodeio Internacional de Vacaria.


1999 - 2001

Patrão Décio Giacomelli

Depois do belo trabalho realizado em 95-97 como patrão, Décio volta para mais dois anos de patronagem com o apoio integral do Conselho de Vaqueanos para consolidar assim o fim de um milênio e o começo de um novo. Fixou como meta principal a execução de obras que oferecessem uma melhor estrutura aos associados e aos visitantes dos fandangos e dos rodeios.


2001 - 2003

Patrão Luiz Adauto Costa

Em dezembro de 2001, sucedendo a gestão de Décio Giacomelli, assume as rédeas do CTG uma nova equipe, comandada pelo tradicionalista Luiz Adauto Costa.
No dia 26 de janeiro o CTG Os Praianos foi campeão em Vacaria-RS, na modalidade laço dupla.
Objetivando documentar a verdadeira história da entidade tradicionalista, a patronagem produziu um livro resgatando a história e um CD musical alusivo aos 30 anos de tradição do CTG Os Praianos, lançado durante o 30º Rodeio Nacional.
Em 10 de junho de 2002, o CTG Os Praianos foi homenageado com uma sessão solene na Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina, por muito bem representar e difundir a tradição gaúcha. A solenidade aconteceu durante a comemoração dos 30 anos de culto às origens e a cultura gauchesca.
No mês de setembro de 2002, pela primeira vez na história, o CTG Os Praianos comemora no seu parque a Semana Farroupilha. Marcou esta comemoração a colocação de um marco na história da entidade e da tradição gaúcho. Uma pedra de três toneladas com uma placa encravada foi colocada na praça José Nilton Moraes, no bairro Kobrasol, simbolizando o local onde acontece o primeiro rodeio organizado no Brasil.
Atendendo aos anseios da invernada campeira e procurando também dar maior visibilidade à entidade, a patronagem adquiriu um novo caminhão Mercedes-Benz, modelo 1218, que tem capacidade para transportar até dezoito cavalos.
Antecedendo a realização do 7º Rodeio Internacional, aconteceu a maior cavalgada de lançamento de um rodeio no CTG Os Praianos. O evento contou com mais de 1.600 cavaleiros. Na ocasião, o astro Beto Carrero fez questão de estar presente com seu cavalo Faísca.
De 25 de abril á 04 de maio de 2003, durante o 7º Rodeio Internacional, aconteceu o primeiro rodeio 24 horas do Brasil. Durante o evento cerca de 120 mil pessoas visitaram o parque do CTG Os Praianos.
Em comemoração aos 30 anos do grupo musical Garotos de Ouro, foi realizado no parque do CTG, entre os dias 15 e 19 de outubro, o primeiro Rodeio de Ouro. O evento foi realizado pelos Garotos de Ouro, com apoio cultural do CTG Os Praianos.
Com a intenção de organizar, valorizar e incentivar as conquistas, foi criado um espaço para que fossem devidamente expostas as vitórias, uma vez que o CTG detém o título de maior conquistador de troféus. A entidade contabiliza cerca de 5 mil vitórias, em 31 anos de existência.
Foi construído um galpão campeiro com 80 metro quadrados, onde os critérios da rusticidade foram aplicados para que este ambiente traga em sua essência mais legítimas características campeiras.


v

2003 - 2005

Patrão Marcos Lohn

Jovem, com muita vontade de realizar e apoiado por uma equipe com o mesmo ideal, Marcos Vidal Lohn também deixou suas marcas como patrão do CTG Os Praianos. Na sua gestão, foram edificadas diversas obras, dentre as quais podemos ressaltar algumas de extrema importância, como a reestruturação e revitalização do nosso parque de eventos, com enfase ao alargamento e melhoramento das ruas que em muito melhorou o conforto, a logistica, acesso e circulação no parque; a construção do Galpão Valmor Schmidt e a cessão de direitos em Comodato aos sócios interessados e assim a construção do Galpão de Garagens para "reboques". Foi criado o Kit Rodeio (camisa alusiva e credencial de acesso aos veículos) para cada sócios do CTG. Outra grande novidade, foi a sugestão e aprovação de emenda na reformulação do Estatuto Social, cuja aprovação também se deu nessa Patronagem, que em seu conteúdo traz a obrigatoriedade de Provisão de caixa mínimo a gestão futura para que a mesma possa iniciar seus trabalhos. Também, como fato inédito, fez cumprir o Estatuto Social no tocante a representatividade do CTG Os Praianos em eventos Tradicionalistas, onde é restrita aos seus sócios. Como objetivo maior de sua gestão, apregoou e fez valer a valorização do quadro Associativo e a priorização à integração e amizade com outras entidades Tradicionalistas, bem como a divulgação e participação do CTG em rodeios por todo o Brasil. Outro grande feito foi a realização do 8º Rodeio Internacional com extrema dedicação e organização tendo diversas atrações e o reconhecimento do grande público presente.


2005 - 2009

Patrão Almir Valério da Silva (Mirinho)

Em continuidade da história do CTG Os Praianos, o patrão Mirinho e sua equipe assumem a gestão administrativa pela primeira vez em votação direta pelo associado, tanto no primeiro mandato, quanto na sua reeleição. Este que foi um marco democrático no CTG. O patrão Mirinho foi participante direto e indireto de todos os Rodeios já promovidos durante os 37 anos do CTG Os Praianos, bem como grande parte dos integrantes da sua patronagem também presenciaram todas as edições.

Durante a sua patronagem buscou-se transmitir maior transparência na prestação de contas aos seus associados, uma vez que todas foram auditadas. Com muita ênfase, foi realizado o XVI Sarau da Prenda Jovem, onde as jovens foram apresentadas a sociedade tradicionalista em uma noite inesquecível para toda família praiana. Além deste, foram realizados os tradicionais fandangos (bailes somente pilchados), os quais resgatam a nossa cultura gaúcha. Também foi promovido o 1º Boi no Rolete com êxito, e criada a Festa Praiana com grande sucesso nas suas duas edições. Também foi construído o site do CTG Os Praianos para informar e divulgar a entidade para todos os tradicionalistas e o público em geral, através do site o Rodeio foi transmitido em tempo real pela primeira vez. As festividades das passagens de aniversário do CTG foram comemoradas com jantares, o que propiciou uma maior aproximação entre os sócios, patronagem e conselheiros, ou seja, as confraternizações de aniversário integraram a querida família praiana nesta gestão, além disto, nestes jantares foram homenageados os destaques em Rodeios, assim valorizando os nossos campeões. Nesta patronagem também foi realizado pela primeira vez no CTG Os Praianos, uma etapa do Festival Nacional da Cultura Gaúcha, este que elevou o nível cultural do Rodeio.

Em continuidade das homenagens aos ex-patrões, os mesmos foram enaltecidos com diversas obras: Reforma da Sala Campeira Joaquim Goulart; Conclusão do Redondel Valmor Rosar; Ampliação e Reforma do Salão Crioulo Valdir Manoel dos Santos; Nomeação da Cancha de Laço Artur Adelino Albanaz. Além dessas obras, também foi construído o Galpão Multi-eventos Dr. Jacob Monn Filho, uma grande área coberta que proporciona maior comodidade e conforto aos associados e visitantes do CTG Os Praianos, como também viabiliza a realização de grandes eventos. Nesta gestão também foi construída a nova casa de Narração João José Acácio de Souza e também a bilheteria, esta que dá melhores condições para venda de ingressos durante o Rodeio e demais eventos.

Diante das ações promovidas pela patronagem de Mirinho, é visto que as dependências do parque passaram por uma grande revitalização e que a chama da tradição gaúcha permaneceu acesa à todo momento. Pois, durante o período de 2005 à 2009 o patrão Mirinho e sua equipe estiveram empenhados na melhora da estrutura e na promoção de eventos tradicionalistas, sempre com o intuito de receber à todos com maior comodidade e unir os associados em prol da cultura gaúcha.


2009 - 2011

David Gevaerd Filho

David Gevaerd Filho, considera-se um autentico manezinho, nasceu na Ilha de Santa Catarina no ano de 1940.

Não obstante ter crescido no centro de nossa capital, sempre gostou da vida do campo, tendo pelo cavalo uma verdadeira paixão.

Em sua vida profissional e graduado em ciências econômicas, pela UFSC, tendo exercido diversos cargos tais como:
No antigo Banco do Estado de Santa Catarina exerceu cargos de Assessor da Diretoria, Consultor Econômico, Chefe do Gabinete Técnico da Presidência, dentre outros foi Diretor Técnico da Fundação Catarinense do Trabalho, no Governo de Antonio Carlos konder Reis.

Na UFSC, Ingressou como pesquisador, passando depois mediante concurso para o quadro de professor, aposentando-se em final de carreira.

Seu ingresso no movimento Tradicionalista ocorreu em setembro de 2004, quando associou-se ao CTG, na categoria de sócio Patrimonial.

Como principais motivos que o levaram a tomar tal decisão destaca-se o respeito entre as pessoas, à participação da família e a proximidade ao cavalo sua paixão.

Sua trajetória no movimento foi rápida, já em outubro de 2005, foi convidado pelo Patrão Almir Mirinho da Silva, para dirigir as cavalariças, período este de 2005 á 2007.

Foi neste período que se tornou conhecido no CTG, tendo exercido sua gestão com capacidade e competência.

Em sua passagem pelas Cavalariças construiu um novo redondel, que leva o nome do Ex Patrão Valmor Rosar, reformou o salão crioulo, que homenageia o Ex Patrão Valdir Manoel dos Santos, e reformou também a sala campeira que homenageia o Ex Patrão Joaquim Goularte.

Em 2007/2009 no segundo mandato do Patrão Mirinho, é eleito 2º Capataz com a tarefa estatutária de secretariar as reuniões de Patronagem, bem como, substituir o 1º Capataz em eventuais impedimentos.

Concluindo o mandato do Patrão Mirinho lança-se candidato ao cargo de Patrão, sendo eleito para dirigir o CTG no período de 2009 a 2011.

Sua bandeira a frente do CTG, era de seguir um trabalho com muita transparência, diálogo e honestidade, tendo no corpo de associados e o Conselho de Vaqueanos seus apoiadores.

Consegue com apoio do Governo do Estado, Prefeitura Municipal de São José, Patrocinadores, Comerciantes, etc, realizar 02(dois) Rodeios, um Nacional e outro Internacional, ambos com resultado positivo.

Paralelamente aos Rodeios realizou anos de 2010 e 2011, os festejos alusivos a semana Farroupilha, e em outubro do ano de 2010, concretiza o sonho de grande número de meninas moças, ou seja o Sarau da Prenda Jovem.

Destaque da sua administração, foi a conclusão do Galpão Multiuso, Jacob Monn Filho, empreendimento iniciado na gestão do Patrão Mirinho.

É de se ressaltar também, a reforma do Galpão Campeiro, próximo a nossa cancha de laço, a implantação de um sistema de abastecimento de água no parque, bem como, outras pequenas obras de manutenção do Patrimônio do CTG, na área social, implantou em convenio com a Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, o projeto da equoterapia, um método terapêutico e educacional que usa o cavalo dentro de uma abordagem multidisciplinar, nas áreas da saúde, educação e equitação.

Hoje a Equoterapia esta sendo aplicada a crianças carentes, portadoras de deficiência física e cognitiva.

Outros projetos na área social foram implantados, e encontrou-se em plena execução, tais como:
A) Visita a Casas de Repouso e Asilos, levando alegria e descontração aos idosos, através de apresentações da Invernada Artística.
B) Baile da 3º idade objetivando a valorização, promoção e resgate da pessoa idosa.
C) Piquenique solidário, trazendo crianças da rede pública municipal para passarem um dia diferente no parque do CTG, com brincadeiras, gincanas, palestras, passeio de charrete passeio a cavalo, etc.


CTG OS PRAIANOS

Rua Vidal Vicente de Andrade, 72 - Forquilhinhas - São José/SC

Fones: (48) 3357-0800 / 3357-0990 | Email: ctgospraianos@ctgospraianos.com.br

Inteligência Web